Make your own free website on Tripod.com
In Association with Amazon.com

O Salto das Sete Quedas do Guaíra

A necessidade de aproveitamento do potencial hidrelétrico do rio Paraná levou o desaparecimento uma das maravilhas do cenário natural brasileiro O Salto das Sete Quedas do Guaíra - que submergirá para dar lugar ao Lago de Itaipu.


Até meados do século XVI, a região compreendida na margem direita do rio Paraná, pertencente ao Governo do Paraguai, como de resto toda a área que hoje constitui o territorio do Estado do Paraná, era habitada quase que exclusivamente por indígenas, distribuídos em numerosas tribos que foram, até aquela data, os únicos e verdadeiros senhores da terra, cujo domínio incontestável perdurou, ainda, pelo espaço de longos anos.

Em 1554, porém, a jurisdição espanhola sediada em Assunção começou a firmar-se à margem esquerda do grande rio, cuja transposição punha Castela diante de um territorio imenso, mas, dentro dos seus legítimos direitos de conquista limitados pelo meridiano de Tordesilhas, visando a fixação do dominio espanhol em portos do Atlântico de Iguape. Domingos Irala, Governador do Paraguai fez fundar o "pueblo" de Ontiveros, a uma légua do Salto das Sete Quedas, cuja população inicial contava com 60 castelhanos sob a chefia do Capitão Rodriguez de Vergara, repartindo-se, então, pelos povoadores quarenta mil famílias indígenas. A três léguas de Ontiveros, o Governo paraguaio fundou outro "pueblo", a Ciudad Real del Guayrá, na confluência do Rio Piquiri, com o mesmo "direito" sobre a escravidão do gentio.

Em 1576, novo estabelecimento espanhol foi fundado à margem esquerda do rio Paraná, denominado Vila Rica do Espirito Santo. Foi escolhido como seu dirigente o célebre Capitão Ruy Diaz Melgarejo, nomeado por João de Garay, Governador de Assunção. Vila Rica foi transferida posteriormente para a confluência do Corumbatai com o Ival, onde prosperou e se tornou a sentinela castelhana mais avançada no sertão de Guafra, cujo dominio so terminou com a sua destruição pelos bandeirantes paulistas em 1632. No ano de 1620, Guafra - que já contava com duas cidades, Ciudad Real del Guayrá e Vila Rica do Espirito Santo, e por este motivo merecera a denominação de Provincia - estava virtualmente perdida para a Espanha. Os bandeirantes paulistas faziam incursões periodicas em seu vasto territorio, capturando-lhe os índios livres, o que fazia antever o dia em que as "reduções" missionárias e os "pueblos" espanhois seriam definitivamente tomados de assalto, como realmente aconteceu. Já em 1629, os estabelecimentos dos Padres Jesuitas, com exceção de Loreto e Santo Inácio, estavam completamente devastados pelos bandeirantes tes paulistas, e, em 1632, Vila Rica, último reduto espanhol capaz de oferecer resistência, foi sitiado por Antonio Raposo Tavares, que punha na mais séria e grave situação 4500 pessoas sitiadas, entre brancos e indígenas. Somente depois que os paulistas romperam a linha empirica e destruíram os "pueblos" castelhanos e "as reduções" jesuíticas em Guaira, afastando a pretensão do Governo do Paraguai de prolongar o seu dominio até o Atlântico, foi que a diplomacia lusitana colocou em prática ou permitiu os atos de posse e jurisdição portugueses, tanto no litoral de Paranaguá, como no sertão de Curitiba. Mais recentemente, Guaira, isto é, a cidade que surgiu nesse local na primeira metade do século XX, pertenceu, pelo espaço de 50 anos, aproximadamente, à Companhia Matte Laranjeira S/A, entidade que povoou, desbravou e colonizou a região, dando-lhe o impulso de que necessitava para o seu progresso e evolução, colocando-a, finalmente, na posição em que se encontra atualmente.

Em 1944, por ato do Presidente da República, a Companhia Matte Laranjeira S/A foi encampada pelo Serviço de Navegação da Bacia do Prata, e a região de Guaira foi adquirida pelo Estado do Paraná, transformando-se, então, no atual Municipio de Guaira. Esse ato oficial realizou-se através da Lei n.° 790, de 14 de novembro de 1951, pelo então Governador Bento Munhoz da Rocha Neto. O primeiro Prefeito Municipal, eleito pelo povo, foi o Dr. Gabriel Fialho Gurgel.

As Sete Quedas aparecem na historia da regiao como Saltos do Canendiyu, foi o primeiro nome adotado por soldados castelhanos quando estes pela primeira vez avistaram as quedas. O nome foi dado em homenagem ao Cacique Canendiyu, lider dos Guaranis, que habitavam a margem direita do rio Paraná,`acima das cataratas. Saltos del Guayrá foi o segundo nome, adotado por Domingos Martinez Irala, Governador de Assunção, em homenagem ao Cacique Guayrá, por sua ajuda na expulsão dos intrusos Tupis. O nome Sete Quedas apareceu pela primeira vez no Tratado de Limites assinado em 1872 entre o Brasil, representado pelo Barão de Cotegipe, e o Paraguai, representado por Carlos Loisaga. Não se sabe a razão do nome "Sete Quedas", havendo diversas versões. Umas delas diz que Sete foi usado por ser algarismo mistico, que demonstra grandeza. Segundo outra versão, quando os navegantes se aproximam das quedas avistam sete colunas de vapor, que delas emergem. Há ainda uma outra interpretação, em que se acredita que as águas se precipitam em sete degraus. A versão mais correta, porém, é que o nome é derivado do fato de as quedas serem formadas por sete conjuntos de saltos, cachoeiras e corredeiras.


Designed and maintained by FLB Enterprises

Chapters.ca