Make your own free website on Tripod.com
In Association with Amazon.com

THE SEA


Portuguese translation below


Dorival Caymmi's song "O Mar" (The Sea) was composed in early 1938. At this occasion its author had not the slightest intention to pursue an artistic career, and coming to the capital had only the objective of following preparatory courses that would prepare him for admittance to Law School. His talent as composer, poet and singer recognized by his friends and stimulated by the cultural effervescence of those times— radios cafes cinemas, theater and musical shows, publications, etc—changed his plans however, and his preview was held in the Radio Tupi, on June 24, 1938.

Dorival Caymmi's great success, however, was "O que é que a baiana tem?" sang by Carmen Miranda in the film "Banana da Terra" launched in the Carnival of 1939. From then on the success kept going up.

Still in 1939, "O Mar" was included in the program of the benevolent spectacle organized by the First-Lady Darcy Vargas at the Municipal Theater and filmed by Cinédia. Caymmi himself was invited to participate. The spectacle's title "Joujoux s Balangandans", a clear reference to the Lyrics of the song "O que é que a baiana tem?" intended to stress the French and African influences over the national culture.

Next year, 1940, Caymmi recorded "O Mar" in a 78rpm disc with the orchestra conducted by Radamés Gnatalli at the Columbia Recordings. Later in 1954 1957 and 1959 Caymmi remade "O Mar" in a longplay by Odéon Recordings. The "Trio de Ouro" (1950), the singers Jorge Fernandes (1951) and Maria Bethânia (1972), the guitarist Baden Powell (1975) and the American pianist George Winston (1982) among many others have also recorded Caymmi's famous seaside song. "The Sea" had in the Brazilian guitar player "Bola Sete" its main promoter overseas, especially in the United States, where he lived for many years.

During his 80 years of life and 56 of artistic activities to date, Caymmi has composed 98 songs mainly about sea Bahia's folklore and urban “sambas-canções”. He made around 20 records, not considering other interpreters recordings. Focus of the attention of editors and analysts for some decades, in 1947 the composer had his songs gathered in the book "Cancioneiro da Bahia" with the preface written by Jorge Amado, his friend, "compadre" and fellow from the same State. In 1985 it was published his biography "Caymmi Sound Image Magic" by Marília T. Barboza and Vera de Alencar with preface by Jorge Amado. ln April of 1994 Almir Chediak launched the Composer's songbook which gathers all his works.

The song "O Mar" was chosen by the composer as the most representative within his collection of songs. According to Dorival Caymmi "O Mar" is the most poetic, beautiful and synthesized song among all his songs.

STELLA CAYMMI Representative of Instituto de Artes Liberais, journalist and publisher

HOMAGE TO ADONIRAN BARBOSA

Son of Italian immigrants from Venice, Adoniran Barbosa his real name was João Rubinato) was born in Valinhos, São Paulo, in 1910. His activities in the artistic field have involved many fronts: in radio he worked as speaker, show-man, radiosoap actor and comedian—this one also in television some years later. As "samba" composer he first appeared in the 40's.

Adoniran Barbosa, the most original of the São Paulo's samba composers, has depicted that city through songs of naive melodies and Lyrics of spaghetti style. The great originality of his works consists of mixing the ill spoken Portuguese of lower classes to the mispronounced popular language product of the melting pot formed by immigrants from different countries notably the Italians (reason of his spaghetti style, in a certain measure comparable in literature to the pre-modernist poet Juó Bananére, also born in São Paulo). A mix of humor and melancholy marked the way he sang the dramas of popular, humble and suffering characters living throughout the violence brought by the urbanization process.

Those characteristics are present in the great classics of the Brazilian popular music he has composed such as: "Saudosa Maloca", "Samba do Arnesto", "Trem das Onze", "Iracema", "Tiro ao Álvaro". Among the less known works, Adoniran has composed a song with Vinicius de Moraes—"Bom Dia, Tristeza", first recorded by Aracy de Almeida. His major interpreter was the vocal-instrumental group "Demônios da Garoa", but many other singers have sung his songs such as the most recent generation of the Brazilian Popular Music: João Gilberto, Gal Costa, Elis Regina, Rita Lee and João Bosco. Adoniran died in São Paulo in 1982.

Together with Paulo Vanzolini, Adoniran Barbosa is the greatest name of the history of "samba" in São Paulo and one of the greatest of the country.

CARLOS RENNO Composer and Journalist
Co-ordinator of Music Museum of Image and Sound of São Paulo


O MAR

A canção O Mar, de Dorival Caymmi, foi composta no início de 1938. Nesta ocasião, seu autor não havia sequer imaginado seguir uma carreira artística e sua vinda à então capital do País tinha como finalidade a realização época rádiosde cursos preparatórios para a faculdade de Direito. Com seu talento como compositor, poeta e cantor reconhecido pelos amigos e estimulado pela efervescência cultural da época—rádios, cafés cinemas espetáculos teatrais e musicais, publicações etc.—Cáymmi muda seus planos e estréia na Rádio Tupi, em 24 de junho de 1938.

O primeiro grande sucesso de Dorival Caymmi, porém, foi com O que é que a baiana tem?, na voz de Carmen Miranda, no filme "Banana da Terra", lançado no Carnaval de 1939. A partir daí o sucesso é crescente.

Ainda em 1939 a canção O Mar foi incluída na programação do espetáculo beneficente organizado pela Primeira-dama, D. Darcy Vargas, no Teatro Municipal, e filmado pela Cinédia. O próprio Caymmi foi convidado a participar. O título do espetáculo, "Joujoux et Balangandans", uma clara referência à letra da canção O que é que a baiana tem?, pretendia assinalar as influências francesa e africana na cultura nacional.

No ano seguinte, em 1940, Caymmi grava O Mar em disco de 78 rotações com a orquestra do maestro Radamés Gnatalli pela gravadora Columbia. Posteriormente, em 1954, 1957 e 1959, Caymmi regrava O Mar em longplay pela gravadora Odeon. O Trio de Ouro (1950) ós cantores Jorge Fernandes (1951) e Maria Bethânia (1972j, o violonista Baden Powell (1975) e o pianista americano George Winston (1982), entre muitos outros, também gravaram a famosa canção praieira de Caymmi. O Mar teve no violonista brasileiro Bola Sete o seu maior divulgador no exterior, especialmente nos EUA, onde residiu por muitos anos.

Em seus 80 anos de vida e 56 de atividade artística,até agora Caymmi compôs 98 músicas em que se destacam as canções praieiras, as de inspiração no folclore da Bahia e os sambas-canções urbanos.Sua discografia é em torno de 20 discos, sem considerar as gravações de outros intérpretes. Merecendo a atenção de editores e estudiosos há algumas décadas, em 1947 o compositor tem suas músicas reunidas no livro Cancioneiro da Bahia, com prefácio de Jorge Amado, seu amigo, compadre e conterrâneo. Em 1985 é publicada a biografia Caymmi Som Imagem Magia das escritoras Marilia T. Barboza e Vera de Alencar, com prefácio de Jorge Amado. Em 1993, o poeta e antropólogo Antônio Risério publicou seu ensaio Caymmi: Uma Utopia de Lugar, cujo capitulo Escrita sobre O Mar, em parceria com o músico Tuzé de Abreu, analisa a canção O Mar—música e poesia—do ponto de vista estrutural. Em abril deste ano, Almir Chediak lançou o songbook do compositor que reúne toda a sua obra.

A canção O Marfo escolhida pelo compositor como a mais representativa no conjunto de sua obra. Segundo Dorival Caymmi, "O Mar é a mais poética, mais bonita e mais sintética" das suas canções.

STELLA CAYMMI Representante do Instituto de Artes Liberais, Jornalista e Editora

HOMENAGEM A ADONIRAN BARBOSA

Filho de imigrantes italianos vindos de Veneza, Adoniran Barbosa (João Rubinato foi seu verdadeiro nome) nasceu em Valinhos, interior de São Paulo, em 1910. No campo artístico humorista funçãosua atuação foi diversificada. Em rádio trabalhou como locutor, animador, ator de radionovela e humorista—função que exerceu mais tarde também na televisão. Como compositor de samba ele começou a aparecer nos anos quarenta.

Adoniran Barbosa, o mais original dos sambistas paulistas, retratou São Paulo com músicas de melodias ingênuas e letras criadas em estilo macarrônico. A grande originalidade de sua obra reside no fato de ter mixado o português mal falado das classes baixas à linguagem popular estropiada, íruto do encontro de diversos grupos de imigrantes, notadamente o italiano (deste o seu macarronismo, em certa medida associável, no campo literário, ao de um poeta pré-modernista também de São Paulo, Juó Bananére). Um misto de humor e melancolia marcou a forma com que ele cantou os dramas de personagens populares humildes e sofridos, em meio à violência do processo de urbanização.

Características como essas estão presentes nos grandes clássicos do cancioneiro brasileiro que criou: "Saudosa Maloca", "Samba do Arnesto", "Trem das Onze", "Iracema", "Tiro ao Álvaro". Entre outros parceiros menos conhecidos, Adoniran chegou a compor uma canção com Vinicius de Moraes—"Bom Dia, Tristeza"—, gravada inicialmente por Aracy de Almeida. Seu principal intérprete foi o conjunto vocalinstrumental Demônios da Garoa, mas vários outros artistas cantaram músicas suas, entre eles nomes das gerações mais modernas da MPB: João Gilberto, Gal Costa, Elis Regina, Rita Lee e João Bosco. Sua morte ocorreu em São Paulo, em 1982.

Ao lado de Paulo Vanzolini, Adoniran Barbosa é o maior nome da história do samba em São Paulo e um dos maiores do Brasil.

CARLOS RENNÓ Compositor e Jornalista,
Coordenador de Música do Museu da Imagem e do Som de São Paulo


Designed and maintained by FLB Enterprises

Chapters.ca